X fechar
  • Maquete do Centro Internacional de Estudos, Memórias e Pesquisas da Infância

  • Maquete do Centro Internacional de Estudos, Memórias e Pesquisas da Infância

  • Maquete do Centro Internacional de Estudos, Memórias e Pesquisas da Infância

Centro Internacional de Estudos, Memórias e Pesquisas da Infância

Jundiaí - SP

A Empresa Argos Industrial S/A foi administrada pelo seu dono Ernesto Diedrichsen, mas o grande nome da empresa foi o húngaro Estevão Kiss, que veio para o Brasil no final da década de 20, como tecelão. A partir de 1930 tornou-se o diretor técnico da fábrica, permanecendo no cargo até 1947. Essa fábrica era chamada de “orgulho de Jundiahy”.

Um dos maiores destaques da empresa era o avanço em termos de benefícios sociais. A assistência médica, convênios, cooperativa, eram apenas parte de um leque de incentivos aos empregados. Porém, o que mais chamou atenção foi a creche, cuja pedra fundamental foi lançada em 14 de agosto de 1943. O diretor Estevão Kiss tomou essa iniciativa, porque ele achava injusto acabar o desmame das crianças aos dois meses.

Quando do lançamento, esteve na cidade uma comitiva, chefiada pelo Secretário de Negócios Turísticos e do Interior do Governo do Estado de São Paulo, devido a importância dada à iniciativa da empresa.

A inauguração foi em 17 de novembro de 1945, com muita festa, contando com a presença da velha banda da Argos, autoridades e funcionários da empresa e considerada um exemplo para as demais empresas.

Para cuidar das crianças vieram do sul do país as Irmãs Salvatorianas, religiosas dedicadas ao ensino, sendo húngara a superiora das religiosas. Elas ficaram até 1972 e a direção da creche foi assumida pelas irmãs missionárias, e logo depois por algumas freiras vindas da Itália.

Além de brincar, aprendiam boas maneiras, lições para a vida futura, alfabetização, incluídas nos horários de estudos, brincadeiras, refeições, descanso, higiene corporal, etc. Também faziam amigos dando um sentido exato de uma comunidade.

Com o encerramento das atividades da empresa em 1984, o prédio da creche entrou em processo de abandono. Somente com a compra do prédio, pela prefeitura, é que o lugar passou a ter sua antiga destinação. Totalmente restaurada, manteve a filosofia inicial: atender aos filhos de funcionários, ou seja, os da própria prefeitura.

O prédio passou a ser dividido entre a EMEB Francisco Lírio que atendia crianças de 4 e 5 anos, no piso superior e a EMEB Maria de Toledo Pontes com crianças de 0 a 3 anos de idade, no piso térreo.  Em 07 de março de 2016 a EMEB Francisco Lírio foi extinta por falta de alunos na região já que o bairro atualmente é referência no comércio local. Atualmente a creche atende as mães trabalhadoras da região do comércio.

No ano de 2018 a Unidade de Gestão de Educação iniciou um trabalho de pesquisa para implantação do Centro Internacional de Estudos, Memórias e Pesquisas da Infância que funcionará onde outrora existia a EMEB Francisco Lírio, no andar superior da antiga creche da Argos, bem tombado conforme Resolução SC-65 de 19/12/2017.

O Centro Internacional de Estudos, Memórias e Pesquisas da Infância, integra as ações da Escola Inovadora e é uma iniciativa da Unidade de Gestão de Educação da Prefeitura Municipal em parceria com a UNICAMP.

A ideia de criação do Centro expressa o compromisso da cidade com a infância e representa uma declaração pública do empenho do poder público com a qualidade dos serviços oferecidos à população jundiaiense.

O objetivo do Centro é constituir-se em um espaço de pesquisa, de estudos e de formação que seja referência na implementação de macro e micro políticas públicas voltadas para a infância, para que cidadãos de Jundiaí, profissionais das diferentes áreas de atuação, famílias das nossas crianças, encontrem nesse espaço de encontros, trocas de experiências, integração e muita aprendizagem conectando os saberes da EMEB Maria de Toledo Pontes às ações do CIEMPI.